domingo, 10 de janeiro de 2010

Andrea Bocelli – Pop ou Clássico?

Andrea Bocelli é apenas um artista clássico que teve que se transformar em mega-astro pop para ser aceito por seu meio musical predileto?

andreabocelli_aug045b15d1[1]

Perfil:

Nascimento: 22 de setembro de 1958
Início de carreira: Cego desde os 12 anos, depois de um acidente jogando futebol, tencionava seguir carreira como advogado, tendo-se graduado pela Universidade de Pisa e passado um ano como advogado de defesa. Contudo, a música sempre esteve presente em sua vida, e dinheiro extra foi ganho durante a época de estudante tocando piano e cantando em bares e clubes.
O professor: Franco Corelli, famoso por seu trabalho com algumas das maiores vozes do mundo. Ele concordou em aceitar Bocelli depois que este se aproximou dele. Bocelli ainda o cita como uma de suas vozes favoritas de todos os tempos.
A carreira pop: Em 1997, vendeu mais de 14 milhões de discos, um total suplantado apenas pelas Spice Girls. Seu single “Time to Say Goodbye” quebrou o recorde de vendas na Alemanha em mais de um milhão. O mesmo single teve sucesso mundial, chegando a atingir o segundo lugar nas paradas inglesas, um mercado notoriamente difícil de ser conquistado por artistas europeus.
Voltando-se para os clássicos: Aria é seu primeiro álbum clássico.
Residência: Na Riviera Italiana, com a esposa Enrica e os filhos Arnos e Matteo.
Lazer: É fanático por equitação e possui cavalos árabes, que gosta de cavalgar na praia perto de sua casa. Outras paixões incluem o esqui, um hobby que ele gosta de compartilhar com o bom amigo Alberto Tomba, muitas vezes campeão Olímpico e Mundial.
O que dizem dele: “Você não precisa de mim para cantar Miserere. Deixe que Andrea cante, pois não há ninguém melhor que ele!” (Luciano Pavarotti, ao ouvir Bocelli pela primeira vez).

O ideal é que tivesse sido no La Escala lotado, assistindo de um camarim particular, um copo de champanhe na mão, visto que ele interpretava Rodolfo em La Bohème de Puccini. Contudo, na realidade, minha primeira experiência com Andrea Bocelli no palco foi bastante diferente. E Bocelli tampouco estava cantando “Che gelida manina” ou qualquer outra ária de Bohème. Em vez disso, ele estava na TV cantando seu sucesso “Time to say goodbye”, juntamente com Sarah Brightman no programa Top Of The Pops pelo canal 1 da BBC. Contudo, o momento foi memorável. Por quê? Bem, ali estava um tenor de ópera, nuca antes ouvido na Inglaterra, segundo colocado no hit-parade pop, e cujo sucesso não se deveu a nenhuma trilha sonora de filme, comercial de TV ou Copa do Mundo. Ali, com certeza, estava um dos mais vendáveis embaixadores do mundo pop que a música clássica jamais poderia esperar, o homem que poderá preencher a famosa lacuna.

Em 1997 ele se tornou um super-astro multimilionário, campeão em vendas de discos e agora lançou “Aria”, seu primeiro disco inteiramente clássico. Contudo, ele ainda está sujeito às aborrecidas ninharias que afetam a todos nós. Quando o encontrei em sua casa na Riviera Italiana, ele acabara de voltar do Japão.

Então começamos nossa entrevista e eu lhe perguntei sobre sua volta à música clássica. Agora que ele segurou o touro clássico firmemente pelos chifres, para onde irá a carreira pop que o tornou tão conhecido? “O pop foi um meio muito importante”, afirmou ele. “Foi a melhor maneira de eu me fazer mais conhecido por mais pessoas rapidamente e, sem o sucesso com o pop, ninguém teria me aceitado no meio clássico. Houve milhares de dificuldades e perguntas quanto à minha capacidade de interpretar música clássica. Muita gente levantou o problema de que eu não podia ver o regente da orquestra e, assim, muita gente achou impossível eu atuar no palco. Estes dois pontos forma suplantados, pois os fatos falam por si mesmos”.

Embora o pop tenha-lhe possibilitado a entrada no meio clássico, Bocelli acha que já é hora de dizer adeus a ele, pois sua carreira clássica poderia seguir um caminho igualmente vitorioso: “A única coisa que ainda preciso fazer é provar que sou um artista. Se isso acontecer e eu obtiver sucesso, não mais precisarei do pop. Não tenho nada contra o pop, mas trata-se de algo que não estou mais interessado”.

Não se trata de esnobismo clássico, mas apenas de estar disposto a fazer o que ele mais gosta. Seu álbum pop “Romanza”, embora agradável, mostra um poderoso tenor incapaz de usar toda a extensão da voz, como se fosse um jóquei campeão tendo que cavalgar um jumento. Em “Aria”, temos o tenor operístico que existe em Bocelli dando tudo de si em árias – todas selecionadas por ele – La Bohème, Tosca e Lucia de Lammermmor, entre outras.

Texto: Jeremy Pound, extraído da revista Classic CD, edição 21

Andrea Bocelli canta, de Donizetti, Lucia di Lammermmor - “Tombe degl’ avi miei” - “Fra poco a me ricovero”

Eduardo vai até as tumbas de seus ancestrais, desesperado porque sua amada Lucia mostrou-se infiel e casou-se com outro (sem saber que ela o fez sob pressão e, enlouquecida, apunhalou o marido). O extraordinário feito de Donizetti é conseguir expressar a dor de Eduardo em tenolidade maior, assim permitindo que repentinas e dolorosas dissonâncias se expressem com maior eloquencia.

00:00 – Uma fanfarra portentosa é seguida por uma frase patética em seu cromatismo (00:08); um abafado rufar do tímpano enfatiza a atmosfera de morte e, então, faz-se ouvir um acorde de sétima diminuída (00:24) que destrói todo senso de estabilidade sugerida pela fanfarra do início. 01:36 – Edgardo expressa seu desespero suicida: sem Lucia, a vida se tornou um deserto. Num dramático recitativo (02:50), ele imagina a felicidade de Lucia com o novo marido, em contraste com sua dor, atingindo um clímax na palavra “morte”. 03:55 – As trompas introduzem a ária principal, em que Edgardo (Eduardo) adianta-nos que buscará refúgio em “uma tumba abandonada”.

té mais!

1 comentários:

Ana Lucia Nicolau disse...

acho que independente do generoele é umótimo artista...artistas como ele faz sucesso sempre....
abs

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, todos que são publicados são respondidos, mas antes de escrever, leia as normas do blog:

Você pode: Opinar, elogiar, criticar, sugerir, debater e discordar.
Mas NÃO PODE ofender, insultar, difamar, divulgar spam, fazer racismo, ou qualquer tipo de conteúdo ilegal, além de usar palavras de baixo calão de maneira gratuita.

Obrigado por sua participação, fico na expectativa de seu retorno!

Conheça o Super Fusion Blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Sons, Filmes & Afins,

um refúgio para quem tem a mente aberta, mas opinião própria"

Marcadores

1975 (1) 1977 (1) 1979 (45) 2 Tone (1) 2001 (1) 50 Obras Revolucionárias (51) A Formação do Gosto Musical (8) A Pedidos (3) Abba (3) AC/DC (2) ação (14) Acervo Original (6) acid house (4) acid jazz (6) Acid Rock (1) acid techno (1) Aerosmith (2) afoxé (1) afrobeat (3) Allman Brothers Blues Band (1) Alternative Dance (1) Ambient (2) amizade (6) análise (1) animação (2) Aniversário (1) Arraste-me para o inferno (1) Art Blakey (1) art rock (5) aventura (4) axé (2) baião (1) baixo (6) baladas (3) balanço do ano (5) Barry White (1) bateria (2) be bop (8) Bebel Gilberto (1) Beethoven (6) Bela Fleck (1) Ben Affleck (1) Ben Kingsley (1) Berg (1) Berlioz (3) big band (2) Big Star (1) Bill Evans (1) Bill Wyman (1) Billie Holiday (1) Billy Bob Thornton (1) Billy Joel (1) biografia (3) black metal (2) Black Sabbath (1) Blackened Death Metal (1) Blind Faith (1) Blondie (1) Blue Cheer (1) bluegrass (1) blues (14) blues rock (1) Bob Dylan (1) Bob Marley (2) bolero (2) Bon Jovi (2) bossa nova (5) Boston (1) Boulez (1) Brahms (1) Brian Eno (6) Brittany Murphy (1) Brutal Death Metal (1) Buddy Guy (1) Burning Spear (1) Buzzcocks (2) Caetano Veloso (3) Cage (1) calipso (1) Camisa de Vênus (1) Cannonball Adderley (1) cantata (1) Carpenters (1) celta (2) Charles Mingus (1) Charlie Parker (2) Cheap Trick (1) Cher (1) Chet Baker (1) Chic (3) Chic Corea (4) chicago blues (2) Chico Buarque (2) Chopin (1) Choro (1) Christian McBride (1) Cícero (6) Clive Owen (1) comédia (16) Concerto (1) Cool Jazz (5) Count Basie (1) Counting Crows (1) country (7) country rock (3) Crumb (1) Curtis Mayfield (1) dance (3) David Bowie (6) Dead Kennedys (1) Death Doom Metal (1) death metal (6) debate (2) Debussy (2) Deep Purple (2) Def Leppard (1) Delaney Bonnie And Friends (1) delta blues (2) Dennis Hopper (1) Dennis Quaid (1) Dennis Wilson (1) Denzel Washington (1) Derek And The Dominos (1) Descartes (2) Destaques (1) Devo (2) Dianne Reeves (1) Dire Straits (1) disco (8) Divulgação (1) Dizzie Gilesppie (1) Django Reinhardt (1) Donizetti (1) Donna Summer (1) doo wop (3) Doom Metal (1) drama (27) Dream Theater (1) Drone Doom (1) Duke Ellington (4) Dulce Pontes (1) Dupré (1) Eagles (1) Earth Wind and Fire (3) easy listening (2) Electric Blues (1) electric-folk (1) Elis Regina (1) Ella Fitzgerald (1) ELO (1) Elton John (2) Elvis Costello (2) ensaio (25) Entrevista (1) época (2) Eric Clapton (3) Erroll Garner (1) Esta Música é Arte? (3) fado (2) Fairport Convention (1) Falecimentos (7) fantasia (4) Fela Kuti (1) Feldman (1) ficção científica (6) filme (69) Filosofia (3) flamenco (2) Fleetwood Mac (3) folk (9) Folk Metal (1) forró (1) Frank Sinatra (1) free jazz (4) frevo (1) Funeral Doom (1) funk (14) Funkadelic (1) fusion (10) Gal Costa (2) Gang of Four (1) Gary Numan (1) Genesis (2) Gershwin (1) Gesualdo (1) Gilberto Gil (2) glam rock (1) Glinka (2) Gluck (1) gospel (3) gótico (6) Grammy (2) Graziani (1) Gregory Isaacs (1) guerra (4) guitara (2) guitarra (5) gypsy jazz (1) Hank Jones (1) hard bop (4) hard rock (15) hardcore (2) Haydn (3) heavy metal (17) Herbie Hancock (2) hip-hop (5) Holger Czukay (1) Holst (1) homenagem (1) Horace Silver (1) Houghton (1) house (2) Ian Dury (1) Iggy Pop (2) indie rock (1) infantil (2) Iron Butterfly (1) Isaac (1) Isabelle Fuhrman (1) Ives (1) J.S. Bach (5) Jaco Pastorious (2) James Brown (2) Jamiroquai (1) Japan (1) jazz (44) Jazz Modal (1) Jean Michel Jarre (2) Jefferson Airplane (1) Jenifer Lopez (1) Jimi Hendrix (1) Jimmy Cliff (1) Jimmy Smith (1) Joan Armatrading (1) Joan Sutherland (1) João Gilberto (2) John Coltrane (1) John Mayall's Bluesbreakers (1) John Travolta (1) Johnny Alf (1) Joni Mitchell (3) Jorge Ben Jor (2) Joy Division (2) Judas Priest (1) Julia Roberts (1) Keith Jarrett (1) Kim Bassinger (1) Kiss (2) Kompha (1) Kraftwerk (2) krautrock (5) Led Zeppelin (2) Lee Jackson (1) Leibniz (1) Lenny White (1) Leonin (1) Listas (19) Liszt (2) Louis Armstrong (2) lundu (1) Machaut (1) madchester (2) Magazine (1) Mahler (2) Marcelo Nova (1) Maria Bethânia (1) Marianne Faithfull (1) Marvin Gaye (3) MDM (1) Meat Loaf (1) Medieval Metal (1) Melodic Death Metal (1) Memphis (1) Meryl Streep (1) Messiaen (1) Metal Progressivo (2) Michael Jackson (3) Mickey Rourke (1) Miles Davis (4) Miúcha (1) modal (2) modinha (1) Monteverdi (2) Motörhead (1) Mozart (6) MPB (10) músic eletrônica (3) música ambiente (4) música clásica (1) música clássica (4) Música do outro mundo (11) música eletrônica (4) música experimental (3) música industrial (2) Música na Cabeça (7) musical (1) Musicoterapia (1) Ná Ozzetti (1) Nat King Cole (1) Neil Young (1) new age (1) new wave (15) Ney Matogrosso (1) Nina Simone (1) Nirvana (1) O que é? (6) ópera rock (2) opinião (23) Oscar (1) Paco de Lucía (1) Parliament (2) Pat Metheny (1) Paul Giamatti (1) Paul McCartney (1) Paul Weller (1) Paulinho Nogueira (1) Paulo Moura (1) Penelope Cruz (1) Pere Ubu (2) Peri (1) Perotin (1) Perusio (1) Peter Frampton (1) Peter Gabriel (1) Peter Sarsgaard (1) Peter Tosh (1) piano (2) Pink Floyd (6) polca (1) Police (1) policial (5) pop (23) pop rock (4) pós-punk (6) Post-Punk (2) Poulenc (1) Power Metal (1) Presente (2) Primus (1) Prince (1) Progressive Death Metal (1) promocional (6) Public Image Ltd. (2) Puccini (1) punk rock (31) Quadrinho (1) Queen (1) Racionais MCs (1) Ramones (3) rap (2) Red Hot Chili Peppers (2) reggae (6) Reich (1) Return To Forever (1) Richard Wagner (2) Rick Wakeman (1) rock (70) rock de vanguarda (4) rock progressivo (9) rock psicodélico (3) rockabilly (2) Rolling Stones (2) romance (9) Ronnie James Dio (1) Rush (1) Russell Crowe (1) Rythm and Blues (5) Saint-Saens (1) Sam Raimi (1) samba (5) Sarah Vaughan (1) Satie (1) sax (1) Schoenberg (4) Schubert (3) Schumann (2) Scorpions (1) Scriabin (1) sebo (1) Série Especial de Domingo (80) Sex Pistols (6) Shirley Verrett (1) Show (1) Simone (1) Siouxsie and The Banshees (1) Sister Sledge (1) ska (1) smooth jazz (3) soul (9) soul jazz (4) speed metal (2) Spyro Gyra (1) Stan Getz (1) Stanlay Clarke (1) Star Trek (1) Steely Dan (1) Stéphane Grappelli (1) Steve Vai (1) Steve Winwood (1) Stevie Wonder (2) Stockhausen (1) Stravinsky (1) Sunday (1) Supertramp (1) surf music (1) suspense (14) swing (5) Symphonic Prog (1) synthpop (3) Talking Heads (2) tango (2) Tchaikovski (2) Technical Death Metal (1) techno (5) Television (1) Terri Lyne Carrington (1) terror (7) Tex (1) The Adverts (1) The B-52's (1) The Beach Boys (1) The Beatles (3) The Cars (1) The Clash (3) The Cramps (2) The Cream (3) The Crusaders (1) The Damned (1) The Doors (1) The Fall (1) The Germs (1) The Gun Club (1) The Hollies (1) The Jam (1) The Jazz Crusaders (1) The Modern Lovers (2) The Only Ones (1) The Penguin Cafe Orchestra (1) The Residents (1) The Saints (1) The Slits (2) The Specials (1) The Stooges (2) The Stranglers (2) The Trio (1) The Undertones (1) The Who (1) Thelonious Monk (2) Thin Lizzy (1) thrash metal (2) Throbbing Gristle (1) Titãs (1) Tom Jobim (2) Tom Petty (1) Tom Wilkinson (1) Top Blog (1) TOPS (1) Toquinho (1) Tracy Chapman (1) Traffic (1) trance (2) tropicália (3) Tudo isso é rock (1) valsa (1) Van Halen (2) Van Morrisson (1) Varèse (1) Vaughan Williams (1) Velvet Underground (1) Vera Farmiga (1) Vídeo (1) Viking Metal (1) Villa-Lobos (1) Vinícius de Moraes (1) Vinil (1) violão (1) Vivaldi (2) Watt 69 (1) Weber (1) Webern (1) Wes Montgomery (1) west coast jazz (1) Wheater Report (1) Willie Nelson (2) Winger (1) Winona Ryder (1) Wire (2) X-Ray Spex (1) Yardbirds (1) Yes (1)