sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Série Música na Cabeça - Capítulo 3: A Manipulação Através da Música


Por Flávia Nogueira
Musicoterapeuta, musicista
e professora de música
Autora do blog Música & Saúde


A música exerce um grande poder sobre o nosso emocional. Ela está presente em vários momentos da vida e se torna particularmente marcante em momentos especiais, como o primeiro encontro; o tema da formatura; a música do casamento e em tantos outros momentos. Cria-se um vínculo indissociável entre acontecimento e a música, e cada vez que a ouvimos novamente, as mesmas emoções daquele determinado momento ressurgem imediatamente. A música é, portanto, um poderoso condutor de emoções.

Por possuir uma capacidade ímpar de tornar as emoções potencialmente mais marcantes, a música tem sido utilizada como meio de manipulação muito eficaz.

Nesse 3º artigo da série “Música na cabeça”, trataremos da manipulação através da música, seja incitando o consumo de produtos ou vendendo uma imagem e até mesmo uma idéia e crença.

Estudos sobre o comportamento humano em relação ao som possibilitaram a criação de produtos culturais ou de mercado que gerassem no ser humano os efeitos desejados por quem os produziu. O cinema, desde seu início, aproveitou a música como grande reforço emocional em suas produções. E a publicidade fez o mesmo.

 A relação entre música, emoção e publicidade é muito estreita e sempre esteve presente na sociedade desde o momento em que houve a necessidade de se divulgar algo para um grande número de pessoas ao mesmo tempo.

A publicidade precisa seduzir, precisa encantar, criar um envolvimento indissolúvel entre a marca e o consumidor. E para isso ela lança mão, entre outros recursos, do uso da emoção. É através da emoção que a publicidade procura gerar lembrança ao consumidor, uma nova experiência vivida que ficou na memória. Da mesma forma que as campanhas publicitárias para venda de produtos, o cenário político também se utiliza com freqüência da música, produzindo jingles “clássicos”.

Ao se criar um jingle, existem preocupações mercadológicas sobre como a peça publicitária realizará sua tarefa de sedução e convencimento ao expectador, além de gerar lembrança da marca que a peça publicitária anuncia.

Aliando a música com o apelo visual, uma campanha consegue convencer o púbico que o produto anunciado possui qualidades sem precisar usar de grandes argumentos. Se o jingle produziu uma experiência agradável, sempre que o sujeito ouvi-lo, seu cérebro irá associar a experiência agradável com o produto, logo, o produto também agradará.

Mas, qual a estrutura ideal de um jingle? Como já vimos em artigos anteriores (ver Música simples X música complexa), o cérebro apresenta maior dificuldade em processar estruturas complexas, levando a pessoa a rejeitar, ou ter que ouvir muitas vezes para ocorrer a assimilação. A intenção de uma peça musical para o consumo, como são os jingles, deve ser a assimilação rápida. O sujeito deve ouvir e logo absorver, de maneira que fique rapidamente marcado em sua memória. Portanto, estruturas simples, não muito longas, são as preferidas. Dependendo do apelo emocional esperado, a escolha da harmonia e andamento também é fundamental.

Acordes maiores sugerem “abertura”, expansão, enquanto os menores remetem, em geral, ao recolhimento, melancolia. Porém, a escolha do andamento é fundamental. Estudos comprovam que, mais do que os acordes, o andamento parece apresentar associações universais.

Andamentos lentos remetem mais à sentimentos de  tristeza, enquanto os rápidos, à alegria. Ao unir adequadamente harmonias, andamento e imagens, temos o cenário para um jingle se tornar marcante, e a possibilidade dele “grudar” na nossa cabeça são muito grandes.

O uso da música para incitar e manipular não é “privilégio” da modernidade. Na antiga Grécia, a música era usada para encorajar os soldados, possuindo, inclusive, modos musicais próprios para isso.
A capacidade que a música oferece de conduzir e alterar estados emocionais, possibilitava aos lideres manipular estados de ânimo dos soldados, transformando situações desanimadoras em momentos gloriosos. No esporte o uso da música na alteração era e ainda é bastante utilizada. A música incita, estimula e sugestiona.

Outro meio em que música é bastante utilizada é em ritos religiosos e sagrados. Quando se trata de crenças religiosas, devemos sempre levar em conta a fé de cada pessoa. Falar em manipulação pode soar para muitas pessoas ofensivo às suas crenças, mas, certamente, não podemos negar a grande influência da música nos cultos sagrados, cristãos ou não.

Em muitas cerimônias africanas, é o ritmo dos tambores que convoca feitiços e espíritos. Desse momento em diante, instala-se uma espécie de ambiente eufórico conduzindo a pessoa ao transe. Neste estado alterado, conduzido pela música, a pessoa considera-se tomada pelo espírito invocado.

Nos cultos cristãos, dificilmente vemos ausência de música, normalmente precedida de momentos “chave”, como a entrada do pregador, do sermão, orações e pedidos de oferta.  A música torna-se um vetor que sensibiliza o ouvinte, tornando-o mais suscetível aos apelos emocionais.

Novamente a escolha do ritmo, andamento e harmonias conduzem a estados emocionais alterados, de acordo com a intenção pretendida.

Por outro lado, penso que nem sempre o uso premeditado da música deve ser visto negativamente. A manipulação pode estar vinculada a idéia de “influência”, e tal pode ser positiva.

O uso para estimular, por exemplo, como os usados nos esportes e reabilitação física, é muito bem vindo. A potencia estimulante e prazerosa que a música provoca, age como um condutor saudável. Muitas pesquisas têm demonstrado que o uso da música em muitos casos diminui o uso de substâncias químicas, como medicamentos e estimulantes, já que a música provoca efeitos semelhantes.

Portanto, embora a imagem remetida pelo termo manipulação seja em geral negativa, é possível que em muitos casos seja utilizada de maneira benéfica. Ninguém quer ser manipulado, pois isso gera a sensação de não autonomia, não liberdade.  Porém, em geral, todos sofreram influências e manipulações por toda a vida. Seja dos pais, dos cônjuges, dos filhos, do patrão, da mídia. Somos modelados pela sociedade a fim de nos sentimos mais satisfeitos e principalmente, aceitos.

A vida em sociedade de certa maneira nos obriga a aceitar as manipulações impostas, porém, creio que uma pessoa dotada de discernimento e consciência, será mais dificilmente manipulada indiscriminadamente. Penso que a aceitação imediata e inconsciente daquilo que lhe é imposto molda uma sociedade frágil, sem poder crítico, movida pelos interesses dos formadores de opinião.

A música, por todas as suas características e variáveis, pode ser sim um instrumento moldador e formador de opiniões, devido o seu poder de marcar e gravar na memória de quem a escuta de maneira rápida e por um longo período de tempo.

Por outro lado, toda essa potência pode sim ser usada e desfrutada por ouvintes conscientes que conseguem absorver dela influências boas e prazerosas.

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, todos que são publicados são respondidos, mas antes de escrever, leia as normas do blog:

Você pode: Opinar, elogiar, criticar, sugerir, debater e discordar.
Mas NÃO PODE ofender, insultar, difamar, divulgar spam, fazer racismo, ou qualquer tipo de conteúdo ilegal, além de usar palavras de baixo calão de maneira gratuita.

Obrigado por sua participação, fico na expectativa de seu retorno!

Conheça o Super Fusion Blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Sons, Filmes & Afins,

um refúgio para quem tem a mente aberta, mas opinião própria"

Marcadores

1975 (1) 1977 (1) 1979 (45) 2 Tone (1) 2001 (1) 50 Obras Revolucionárias (51) A Formação do Gosto Musical (8) A Pedidos (3) Abba (3) AC/DC (2) ação (14) Acervo Original (6) acid house (4) acid jazz (6) Acid Rock (1) acid techno (1) Aerosmith (2) afoxé (1) afrobeat (3) Allman Brothers Blues Band (1) Alternative Dance (1) Ambient (2) amizade (6) análise (1) animação (2) Aniversário (1) Arraste-me para o inferno (1) Art Blakey (1) art rock (5) aventura (4) axé (2) baião (1) baixo (6) baladas (3) balanço do ano (5) Barry White (1) bateria (2) be bop (8) Bebel Gilberto (1) Beethoven (6) Bela Fleck (1) Ben Affleck (1) Ben Kingsley (1) Berg (1) Berlioz (3) big band (2) Big Star (1) Bill Evans (1) Bill Wyman (1) Billie Holiday (1) Billy Bob Thornton (1) Billy Joel (1) biografia (3) black metal (2) Black Sabbath (1) Blackened Death Metal (1) Blind Faith (1) Blondie (1) Blue Cheer (1) bluegrass (1) blues (14) blues rock (1) Bob Dylan (1) Bob Marley (2) bolero (2) Bon Jovi (2) bossa nova (5) Boston (1) Boulez (1) Brahms (1) Brian Eno (6) Brittany Murphy (1) Brutal Death Metal (1) Buddy Guy (1) Burning Spear (1) Buzzcocks (2) Caetano Veloso (3) Cage (1) calipso (1) Camisa de Vênus (1) Cannonball Adderley (1) cantata (1) Carpenters (1) celta (2) Charles Mingus (1) Charlie Parker (2) Cheap Trick (1) Cher (1) Chet Baker (1) Chic (3) Chic Corea (4) chicago blues (2) Chico Buarque (2) Chopin (1) Choro (1) Christian McBride (1) Cícero (6) Clive Owen (1) comédia (16) Concerto (1) Cool Jazz (5) Count Basie (1) Counting Crows (1) country (7) country rock (3) Crumb (1) Curtis Mayfield (1) dance (3) David Bowie (6) Dead Kennedys (1) Death Doom Metal (1) death metal (6) debate (2) Debussy (2) Deep Purple (2) Def Leppard (1) Delaney Bonnie And Friends (1) delta blues (2) Dennis Hopper (1) Dennis Quaid (1) Dennis Wilson (1) Denzel Washington (1) Derek And The Dominos (1) Descartes (2) Destaques (1) Devo (2) Dianne Reeves (1) Dire Straits (1) disco (8) Divulgação (1) Dizzie Gilesppie (1) Django Reinhardt (1) Donizetti (1) Donna Summer (1) doo wop (3) Doom Metal (1) drama (27) Dream Theater (1) Drone Doom (1) Duke Ellington (4) Dulce Pontes (1) Dupré (1) Eagles (1) Earth Wind and Fire (3) easy listening (2) Electric Blues (1) electric-folk (1) Elis Regina (1) Ella Fitzgerald (1) ELO (1) Elton John (2) Elvis Costello (2) ensaio (25) Entrevista (1) época (2) Eric Clapton (3) Erroll Garner (1) Esta Música é Arte? (3) fado (2) Fairport Convention (1) Falecimentos (7) fantasia (4) Fela Kuti (1) Feldman (1) ficção científica (6) filme (69) Filosofia (3) flamenco (2) Fleetwood Mac (3) folk (9) Folk Metal (1) forró (1) Frank Sinatra (1) free jazz (4) frevo (1) Funeral Doom (1) funk (14) Funkadelic (1) fusion (10) Gal Costa (2) Gang of Four (1) Gary Numan (1) Genesis (2) Gershwin (1) Gesualdo (1) Gilberto Gil (2) glam rock (1) Glinka (2) Gluck (1) gospel (3) gótico (6) Grammy (2) Graziani (1) Gregory Isaacs (1) guerra (4) guitara (2) guitarra (5) gypsy jazz (1) Hank Jones (1) hard bop (4) hard rock (15) hardcore (2) Haydn (3) heavy metal (17) Herbie Hancock (2) hip-hop (5) Holger Czukay (1) Holst (1) homenagem (1) Horace Silver (1) Houghton (1) house (2) Ian Dury (1) Iggy Pop (2) indie rock (1) infantil (2) Iron Butterfly (1) Isaac (1) Isabelle Fuhrman (1) Ives (1) J.S. Bach (5) Jaco Pastorious (2) James Brown (2) Jamiroquai (1) Japan (1) jazz (44) Jazz Modal (1) Jean Michel Jarre (2) Jefferson Airplane (1) Jenifer Lopez (1) Jimi Hendrix (1) Jimmy Cliff (1) Jimmy Smith (1) Joan Armatrading (1) Joan Sutherland (1) João Gilberto (2) John Coltrane (1) John Mayall's Bluesbreakers (1) John Travolta (1) Johnny Alf (1) Joni Mitchell (3) Jorge Ben Jor (2) Joy Division (2) Judas Priest (1) Julia Roberts (1) Keith Jarrett (1) Kim Bassinger (1) Kiss (2) Kompha (1) Kraftwerk (2) krautrock (5) Led Zeppelin (2) Lee Jackson (1) Leibniz (1) Lenny White (1) Leonin (1) Listas (19) Liszt (2) Louis Armstrong (2) lundu (1) Machaut (1) madchester (2) Magazine (1) Mahler (2) Marcelo Nova (1) Maria Bethânia (1) Marianne Faithfull (1) Marvin Gaye (3) MDM (1) Meat Loaf (1) Medieval Metal (1) Melodic Death Metal (1) Memphis (1) Meryl Streep (1) Messiaen (1) Metal Progressivo (2) Michael Jackson (3) Mickey Rourke (1) Miles Davis (4) Miúcha (1) modal (2) modinha (1) Monteverdi (2) Motörhead (1) Mozart (6) MPB (10) músic eletrônica (3) música ambiente (4) música clásica (1) música clássica (4) Música do outro mundo (11) música eletrônica (4) música experimental (3) música industrial (2) Música na Cabeça (7) musical (1) Musicoterapia (1) Ná Ozzetti (1) Nat King Cole (1) Neil Young (1) new age (1) new wave (15) Ney Matogrosso (1) Nina Simone (1) Nirvana (1) O que é? (6) ópera rock (2) opinião (23) Oscar (1) Paco de Lucía (1) Parliament (2) Pat Metheny (1) Paul Giamatti (1) Paul McCartney (1) Paul Weller (1) Paulinho Nogueira (1) Paulo Moura (1) Penelope Cruz (1) Pere Ubu (2) Peri (1) Perotin (1) Perusio (1) Peter Frampton (1) Peter Gabriel (1) Peter Sarsgaard (1) Peter Tosh (1) piano (2) Pink Floyd (6) polca (1) Police (1) policial (5) pop (23) pop rock (4) pós-punk (6) Post-Punk (2) Poulenc (1) Power Metal (1) Presente (2) Primus (1) Prince (1) Progressive Death Metal (1) promocional (6) Public Image Ltd. (2) Puccini (1) punk rock (31) Quadrinho (1) Queen (1) Racionais MCs (1) Ramones (3) rap (2) Red Hot Chili Peppers (2) reggae (6) Reich (1) Return To Forever (1) Richard Wagner (2) Rick Wakeman (1) rock (70) rock de vanguarda (4) rock progressivo (9) rock psicodélico (3) rockabilly (2) Rolling Stones (2) romance (9) Ronnie James Dio (1) Rush (1) Russell Crowe (1) Rythm and Blues (5) Saint-Saens (1) Sam Raimi (1) samba (5) Sarah Vaughan (1) Satie (1) sax (1) Schoenberg (4) Schubert (3) Schumann (2) Scorpions (1) Scriabin (1) sebo (1) Série Especial de Domingo (80) Sex Pistols (6) Shirley Verrett (1) Show (1) Simone (1) Siouxsie and The Banshees (1) Sister Sledge (1) ska (1) smooth jazz (3) soul (9) soul jazz (4) speed metal (2) Spyro Gyra (1) Stan Getz (1) Stanlay Clarke (1) Star Trek (1) Steely Dan (1) Stéphane Grappelli (1) Steve Vai (1) Steve Winwood (1) Stevie Wonder (2) Stockhausen (1) Stravinsky (1) Sunday (1) Supertramp (1) surf music (1) suspense (14) swing (5) Symphonic Prog (1) synthpop (3) Talking Heads (2) tango (2) Tchaikovski (2) Technical Death Metal (1) techno (5) Television (1) Terri Lyne Carrington (1) terror (7) Tex (1) The Adverts (1) The B-52's (1) The Beach Boys (1) The Beatles (3) The Cars (1) The Clash (3) The Cramps (2) The Cream (3) The Crusaders (1) The Damned (1) The Doors (1) The Fall (1) The Germs (1) The Gun Club (1) The Hollies (1) The Jam (1) The Jazz Crusaders (1) The Modern Lovers (2) The Only Ones (1) The Penguin Cafe Orchestra (1) The Residents (1) The Saints (1) The Slits (2) The Specials (1) The Stooges (2) The Stranglers (2) The Trio (1) The Undertones (1) The Who (1) Thelonious Monk (2) Thin Lizzy (1) thrash metal (2) Throbbing Gristle (1) Titãs (1) Tom Jobim (2) Tom Petty (1) Tom Wilkinson (1) Top Blog (1) TOPS (1) Toquinho (1) Tracy Chapman (1) Traffic (1) trance (2) tropicália (3) Tudo isso é rock (1) valsa (1) Van Halen (2) Van Morrisson (1) Varèse (1) Vaughan Williams (1) Velvet Underground (1) Vera Farmiga (1) Vídeo (1) Viking Metal (1) Villa-Lobos (1) Vinícius de Moraes (1) Vinil (1) violão (1) Vivaldi (2) Watt 69 (1) Weber (1) Webern (1) Wes Montgomery (1) west coast jazz (1) Wheater Report (1) Willie Nelson (2) Winger (1) Winona Ryder (1) Wire (2) X-Ray Spex (1) Yardbirds (1) Yes (1)