terça-feira, 5 de abril de 2011

Duvido de tudo e de todos!


O título deste artigo pode fazer o leitor imaginar que eu seja um cara paranoico, mas não, na verdade trata-se de uma reflexão sobre a primeira meditação, ou meditação primeira, de René Descartes - filósofo moderno. Ele propõe essa dúvida hiperbólica como caminho necessário para se chegar às verdades.

René Descartes
"Há algum tempo eu me apercebi de que, desde meus primeiros anos, recebera muitas falsas opiniões como verdadeiras, e de que aquilo que depois eu fundei em princípios tão mal assegurados não podia ser senão mui duvidoso e incerto; de modo que me era necessário tentar seriamente, uma vez em minha vida, desfazer-me de todas as opiniões a que até então dera crédito, e começar tudo novamente desde os fundamentos, se quisesse estabelecer algo de firme e de constante nas ciências".

Da mesma forma que Descartes, todos nós aprendemos coisas e formamos conceitos durante nossas vidas, mas muitas vezes assumimos tudo isso como verdades e mal nos damos conta de que podemos estar sendo enganados ou nos auto-iludindo "achando" verdades que não passam de enganos.

Entretanto, não é tarefa simples duvidar de nossas convicções e abolir todas as nossas "verdades", mesmo porque, muitas delas podem ser corretas.

Uma outra dificuldade é que possuímos atualmente uma enorme quantidade de conhecimentos, que se fôssemos questionar um a um, levaríamos mais uma vida para executar tal tarefa, sem contar que deveríamos ter memórias prodigiosas para lembrarmos de todos eles.

Descartes então propõe um criterioso método, onde o primeiro passo é o seguinte:

"Ora, não será necessário, para alcançar este designo, provar que todas elas (as coisas) são falsas, mas uma vez que a razão já me persuade de que não devo menos cuidadosamente impedir-me de dar crédito às coisas que não são inteiramente certas e indubitáveis, do que às que nos parecem manifestamente ser falsas, o menor motivo de dúvida que eu nelas encontrar bastará para me levar a rejeitar todas. E, para isso, (...) dedicar-me-ei inicialmente aos princípios sobre os quais todas as minhas antigas opiniões estavam apoiadas."

Em outras palavras, começo atacando as bases do pensamento e aquilo que apresentar a menor possibilidade de dúvida, descartarei - "(...) visto que a ruína dos alicerces carrega necessariamente consigo todo o resto do edifício". Aquilo que não possibilitar nem a mínima dúvida, mesmo após muito refletir; tomarei como verdade.

Estabelecidos os critérios, devo pensar então, sobre a forma como adquiri meus conhecimentos:

"Tudo o que recebi, até presentemente, como o mais verdadeiro e seguro, aprendi-o dos sentidos ou pelos sentidos."

Certo, então cheguei a conclusão de que tudo o que sei veio dos ou pelos sentidos; em seguida pergunto: será que existe a possibilidade, mesmo que remota, dos meus próprios sentidos me enganarem? Claro que sim, note: se observo um objeto à distância, posso me enganar quanto ao seu real tamanho e proporção. Por exemplo, se observar a uma certa distância uma cadeira, não teria dúvida nenhuma, mas ao chegar perto, posso perceber tratar-se de uma foto de uma cadeira e não de uma cadeira.

Os sentidos enganam: aqui você vê um pato ou uma lebre?

Portanto, chego a conclusão que meus sentidos podem me enganar, mas nem sempre isso deve ocorrer, haveria alguma hipótese de meus sentidos me proporcionarem algum conhecimento verdadeiro e indubitável?

Para responder a essa questão, utilizarei um argumento similar ao usado por Descartes:

Constato que estou aqui, sentado em uma cadeira, em meu escritório, utilizando um computador para escrever e rodeado de papeis e outros objetos. Como poderia eu negar estes fatos? Além do entorno, "como poderia eu negar que estas mãos e este corpo sejam meus?" Afinal, os vejo, os sinto!

Repare que posso negar sim estas verdades; Descartes sugere duas possibilidades:

  1. Posso ser louco e acreditar em ilusões
    Descartes desconsidera essa objeção pois não acha coerente raciocinar através do irracional;
  2. Posso estar sonhando
    Esse argumento é forte. Como disse Morpheus no filme Matrix: "se você estiver sonhando e nunca mais acordar, como saberia diferenciar o que é sonho e o que é realidade?" Quando sonhamos, não temos a nítida sensação das coisas, e ao acordar, algumas vezes não ficamos até perplexos por descobrirmos que tudo aquilo que vivenciamos, não passava de um sonho? Não seria possível, mesmo que remotamente, que ao invés de estar aqui em meu escritório escrevendo este artigo, eu esteja na verdade nu em minha cama sonhando que esteja fazendo isso?
Agora a coisa complicou, pois meus sentidos podem me enganar em tudo! Então, obedecendo os critérios do método proposto nessa meditação, tudo o que vier deles, devo descartar.


E então, sobrou algo em que acreditar?

Espere um pouco, posso estar sonhando com esses eventos, mas isso não significa que eles não existam, o computador, o papel, minhas mãos, meus olhos, minha cabeça... Por mais que esteja sonhando, essas coisas todas tem de ser baseadas em alguma realidade, pois tudo que venha de minha imaginação encontra alguma correspondência no mundo real. Não posso conceber a imagem de uma mulher sem nunca ter visto alguma na vida. Por mais criativo que seja, todas as formas que puder imaginar, por mais obscuras ou inexplicáveis que sejam, têm de conter correspondências, mesmo que sejam apenas as cores ou as formas contidas em sua concepção. E a matemática? Esteja eu sonhando ou acordado, 4 + 5 sempre será 9!

Por mais absurda que seja, a imaginação sempre é correspondente ao mundo real

Pois é caro leitor, Descartes mostrará que até essas verdades aparentemente irrefutáveis, podem ser questionadas, ou seja, que coisas como 4 + 5 podem não ser 9!



Mas isso fica para o próximo artigo, até lá!


Fontes: DESCARTES, René - Meditações Metafísicas, Meditação Primeira - Coleção "Pensadores", editora Abril
Matrix (1999) - Wachowski brothers

0 comentários:

Postar um comentário

Seu comentário é muito importante, todos que são publicados são respondidos, mas antes de escrever, leia as normas do blog:

Você pode: Opinar, elogiar, criticar, sugerir, debater e discordar.
Mas NÃO PODE ofender, insultar, difamar, divulgar spam, fazer racismo, ou qualquer tipo de conteúdo ilegal, além de usar palavras de baixo calão de maneira gratuita.

Obrigado por sua participação, fico na expectativa de seu retorno!

Conheça o Super Fusion Blog!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Sons, Filmes & Afins,

um refúgio para quem tem a mente aberta, mas opinião própria"

Marcadores

1975 (1) 1977 (1) 1979 (45) 2 Tone (1) 2001 (1) 50 Obras Revolucionárias (51) A Formação do Gosto Musical (8) A Pedidos (3) Abba (3) AC/DC (2) ação (14) Acervo Original (6) acid house (4) acid jazz (6) Acid Rock (1) acid techno (1) Aerosmith (2) afoxé (1) afrobeat (3) Allman Brothers Blues Band (1) Alternative Dance (1) Ambient (2) amizade (6) análise (1) animação (2) Aniversário (1) Arraste-me para o inferno (1) Art Blakey (1) art rock (5) aventura (4) axé (2) baião (1) baixo (6) baladas (3) balanço do ano (5) Barry White (1) bateria (2) be bop (8) Bebel Gilberto (1) Beethoven (6) Bela Fleck (1) Ben Affleck (1) Ben Kingsley (1) Berg (1) Berlioz (3) big band (2) Big Star (1) Bill Evans (1) Bill Wyman (1) Billie Holiday (1) Billy Bob Thornton (1) Billy Joel (1) biografia (3) black metal (2) Black Sabbath (1) Blackened Death Metal (1) Blind Faith (1) Blondie (1) Blue Cheer (1) bluegrass (1) blues (14) blues rock (1) Bob Dylan (1) Bob Marley (2) bolero (2) Bon Jovi (2) bossa nova (5) Boston (1) Boulez (1) Brahms (1) Brian Eno (6) Brittany Murphy (1) Brutal Death Metal (1) Buddy Guy (1) Burning Spear (1) Buzzcocks (2) Caetano Veloso (3) Cage (1) calipso (1) Camisa de Vênus (1) Cannonball Adderley (1) cantata (1) Carpenters (1) celta (2) Charles Mingus (1) Charlie Parker (2) Cheap Trick (1) Cher (1) Chet Baker (1) Chic (3) Chic Corea (4) chicago blues (2) Chico Buarque (2) Chopin (1) Choro (1) Christian McBride (1) Cícero (6) Clive Owen (1) comédia (16) Concerto (1) Cool Jazz (5) Count Basie (1) Counting Crows (1) country (7) country rock (3) Crumb (1) Curtis Mayfield (1) dance (3) David Bowie (6) Dead Kennedys (1) Death Doom Metal (1) death metal (6) debate (2) Debussy (2) Deep Purple (2) Def Leppard (1) Delaney Bonnie And Friends (1) delta blues (2) Dennis Hopper (1) Dennis Quaid (1) Dennis Wilson (1) Denzel Washington (1) Derek And The Dominos (1) Descartes (2) Destaques (1) Devo (2) Dianne Reeves (1) Dire Straits (1) disco (8) Divulgação (1) Dizzie Gilesppie (1) Django Reinhardt (1) Donizetti (1) Donna Summer (1) doo wop (3) Doom Metal (1) drama (27) Dream Theater (1) Drone Doom (1) Duke Ellington (4) Dulce Pontes (1) Dupré (1) Eagles (1) Earth Wind and Fire (3) easy listening (2) Electric Blues (1) electric-folk (1) Elis Regina (1) Ella Fitzgerald (1) ELO (1) Elton John (2) Elvis Costello (2) ensaio (25) Entrevista (1) época (2) Eric Clapton (3) Erroll Garner (1) Esta Música é Arte? (3) fado (2) Fairport Convention (1) Falecimentos (7) fantasia (4) Fela Kuti (1) Feldman (1) ficção científica (6) filme (69) Filosofia (3) flamenco (2) Fleetwood Mac (3) folk (9) Folk Metal (1) forró (1) Frank Sinatra (1) free jazz (4) frevo (1) Funeral Doom (1) funk (14) Funkadelic (1) fusion (10) Gal Costa (2) Gang of Four (1) Gary Numan (1) Genesis (2) Gershwin (1) Gesualdo (1) Gilberto Gil (2) glam rock (1) Glinka (2) Gluck (1) gospel (3) gótico (6) Grammy (2) Graziani (1) Gregory Isaacs (1) guerra (4) guitara (2) guitarra (5) gypsy jazz (1) Hank Jones (1) hard bop (4) hard rock (15) hardcore (2) Haydn (3) heavy metal (17) Herbie Hancock (2) hip-hop (5) Holger Czukay (1) Holst (1) homenagem (1) Horace Silver (1) Houghton (1) house (2) Ian Dury (1) Iggy Pop (2) indie rock (1) infantil (2) Iron Butterfly (1) Isaac (1) Isabelle Fuhrman (1) Ives (1) J.S. Bach (5) Jaco Pastorious (2) James Brown (2) Jamiroquai (1) Japan (1) jazz (44) Jazz Modal (1) Jean Michel Jarre (2) Jefferson Airplane (1) Jenifer Lopez (1) Jimi Hendrix (1) Jimmy Cliff (1) Jimmy Smith (1) Joan Armatrading (1) Joan Sutherland (1) João Gilberto (2) John Coltrane (1) John Mayall's Bluesbreakers (1) John Travolta (1) Johnny Alf (1) Joni Mitchell (3) Jorge Ben Jor (2) Joy Division (2) Judas Priest (1) Julia Roberts (1) Keith Jarrett (1) Kim Bassinger (1) Kiss (2) Kompha (1) Kraftwerk (2) krautrock (5) Led Zeppelin (2) Lee Jackson (1) Leibniz (1) Lenny White (1) Leonin (1) Listas (19) Liszt (2) Louis Armstrong (2) lundu (1) Machaut (1) madchester (2) Magazine (1) Mahler (2) Marcelo Nova (1) Maria Bethânia (1) Marianne Faithfull (1) Marvin Gaye (3) MDM (1) Meat Loaf (1) Medieval Metal (1) Melodic Death Metal (1) Memphis (1) Meryl Streep (1) Messiaen (1) Metal Progressivo (2) Michael Jackson (3) Mickey Rourke (1) Miles Davis (4) Miúcha (1) modal (2) modinha (1) Monteverdi (2) Motörhead (1) Mozart (6) MPB (10) músic eletrônica (3) música ambiente (4) música clásica (1) música clássica (4) Música do outro mundo (11) música eletrônica (4) música experimental (3) música industrial (2) Música na Cabeça (7) musical (1) Musicoterapia (1) Ná Ozzetti (1) Nat King Cole (1) Neil Young (1) new age (1) new wave (15) Ney Matogrosso (1) Nina Simone (1) Nirvana (1) O que é? (6) ópera rock (2) opinião (23) Oscar (1) Paco de Lucía (1) Parliament (2) Pat Metheny (1) Paul Giamatti (1) Paul McCartney (1) Paul Weller (1) Paulinho Nogueira (1) Paulo Moura (1) Penelope Cruz (1) Pere Ubu (2) Peri (1) Perotin (1) Perusio (1) Peter Frampton (1) Peter Gabriel (1) Peter Sarsgaard (1) Peter Tosh (1) piano (2) Pink Floyd (6) polca (1) Police (1) policial (5) pop (23) pop rock (4) pós-punk (6) Post-Punk (2) Poulenc (1) Power Metal (1) Presente (2) Primus (1) Prince (1) Progressive Death Metal (1) promocional (6) Public Image Ltd. (2) Puccini (1) punk rock (31) Quadrinho (1) Queen (1) Racionais MCs (1) Ramones (3) rap (2) Red Hot Chili Peppers (2) reggae (6) Reich (1) Return To Forever (1) Richard Wagner (2) Rick Wakeman (1) rock (70) rock de vanguarda (4) rock progressivo (9) rock psicodélico (3) rockabilly (2) Rolling Stones (2) romance (9) Ronnie James Dio (1) Rush (1) Russell Crowe (1) Rythm and Blues (5) Saint-Saens (1) Sam Raimi (1) samba (5) Sarah Vaughan (1) Satie (1) sax (1) Schoenberg (4) Schubert (3) Schumann (2) Scorpions (1) Scriabin (1) sebo (1) Série Especial de Domingo (80) Sex Pistols (6) Shirley Verrett (1) Show (1) Simone (1) Siouxsie and The Banshees (1) Sister Sledge (1) ska (1) smooth jazz (3) soul (9) soul jazz (4) speed metal (2) Spyro Gyra (1) Stan Getz (1) Stanlay Clarke (1) Star Trek (1) Steely Dan (1) Stéphane Grappelli (1) Steve Vai (1) Steve Winwood (1) Stevie Wonder (2) Stockhausen (1) Stravinsky (1) Sunday (1) Supertramp (1) surf music (1) suspense (14) swing (5) Symphonic Prog (1) synthpop (3) Talking Heads (2) tango (2) Tchaikovski (2) Technical Death Metal (1) techno (5) Television (1) Terri Lyne Carrington (1) terror (7) Tex (1) The Adverts (1) The B-52's (1) The Beach Boys (1) The Beatles (3) The Cars (1) The Clash (3) The Cramps (2) The Cream (3) The Crusaders (1) The Damned (1) The Doors (1) The Fall (1) The Germs (1) The Gun Club (1) The Hollies (1) The Jam (1) The Jazz Crusaders (1) The Modern Lovers (2) The Only Ones (1) The Penguin Cafe Orchestra (1) The Residents (1) The Saints (1) The Slits (2) The Specials (1) The Stooges (2) The Stranglers (2) The Trio (1) The Undertones (1) The Who (1) Thelonious Monk (2) Thin Lizzy (1) thrash metal (2) Throbbing Gristle (1) Titãs (1) Tom Jobim (2) Tom Petty (1) Tom Wilkinson (1) Top Blog (1) TOPS (1) Toquinho (1) Tracy Chapman (1) Traffic (1) trance (2) tropicália (3) Tudo isso é rock (1) valsa (1) Van Halen (2) Van Morrisson (1) Varèse (1) Vaughan Williams (1) Velvet Underground (1) Vera Farmiga (1) Vídeo (1) Viking Metal (1) Villa-Lobos (1) Vinícius de Moraes (1) Vinil (1) violão (1) Vivaldi (2) Watt 69 (1) Weber (1) Webern (1) Wes Montgomery (1) west coast jazz (1) Wheater Report (1) Willie Nelson (2) Winger (1) Winona Ryder (1) Wire (2) X-Ray Spex (1) Yardbirds (1) Yes (1)